Backbone Ethernet / TCP/IP da início a redeUFSC

Em dezembro de 1990, é implantada a primeira rede local padrão Ethernet/TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol) da UFSC, que interligou diversas unidades do CTC e o NPD, dando assim início ao backbone da redeUFSC. A rede padrão Ethernet com CSMA/CD e capacidade de transmissão de 10 Mbps foi estabelecida utilizando a tecnologia de enlace 10BASE5, também conhecido como “Thick Ethernet” ou cabo coaxial grosso. O cabo foi adquirido com comprimento de 500 metros, limite da tecnologia, e foi lançado entre o prédio da engenharia mecânica e o prédio da direção do CTC na época, passando pelos prédios, departamentos e laboratórios que ficavam neste caminho, tais como NPD, EPS, EEL, INE, LCMI, LABSPOT, ARQ e ENS.

Expandir

diagrama-rede-UFSC-1
Diagrama do backbone da redeUFSC

A escolha por utilizar o Ethernet/TCP/IP se deu pelo fato de ser na época, a única solução independente de fornecedores e presente em quase todos os sistemas computacionais existentes em universidades.

RCT-SC implanta conexões de alta velocidade em Florianópolis

Aproveitando o momento de avanços tecnológicos no Estado com a criação  da  RCT-SC, em 1996 é implantado o primeiro segmento de alta velocidade na  rede acadêmica em Florianópolis. Esta iniciativa ficou conhecida como RMCT (Rede Metropolitana de Ciência e Tecnologia).

Esta rede interconectava o Campus Reitor João David Ferreira Lima da UFSC, UDESC, campus CCA/UFSC, EPAGRI, CIDASC, Secretaria de Agricultura e FUNCITEC através de fibra ótica single-mode entre UFSC e UDESC, e multi-mode entre UFSC e outras instituições.

Tratava-se de uma rede que faz uso das tecnologias ATM (Asynchronous Transfer Mode) e Ethernet, que atuava com protocolos IP sobre LANE e IP sobre Ethernet e possuía as capacidades de 155 Mbps através de ATM e 10 Mbps através de Ethernet contando com os equipamentos IBM 8260 e IBM 8271, respectivamente.

Desde sua criação, em 1996, até o ano de 2005, a RMCT não sofreu expansão física significativa, permanecendo praticamente inalterada neste perído. No entanto, neste intervalo de tempo, houve aumento da capacidade da conexão entre os pontos de presença do PoP-SC (RNP) e o PoP-UDESC (RCT-SC) que passou a operar com 622 Mbps em ATM e o aumento da capacidade de conexão das outras instituições que passou de 10 Mbps em Ethernet para 155 Mbps em ATM, em função de equipamentos que operaram da RMAV-FLN. A sua abrangência ainda era bastante restrita, conectando somente prédios da UFSC no bairro Trindade e instituições no bairro Itacorubi, fazendo com que demais unidades na região metropolitana da cidade (Florianópolis, São José e Palhoça) tivessem que se conectar à RCT-SC em baixa velocidade de 128 Kbps a 2 Mbps.