Ampliada capacidade da conexão do PoP-SC com a RNP usando SONET DWDM

No ano de , o PoP-SC recebe os novos enlaces da RNP utilizando a tecnologia DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing) a qual substitui a tecnologia SDH/STM-1. Esta tecnologia permitiu se criar uma nova rede sobre capacidade básica de transmissão Fibra X Lambda (sistemas multiplexados xWDM). O protocolo de transmissão POS (Packet over SONET) continua a ser utilizado. Neste momento, foram instalados enlaces com o PoP-PR e PoP-RS (Curitiba e Porto Alegre), substituindo o enlace que estava instalado para São Paulo formando o chamado Anel Sul. A capacidade agregada do PoP-SC atingiu 5 Gbps, 2 enlaces de 2,5 Gbps representando um aumento na capacidade em 32 vezes. Internamente na rede do , a banda disponível era de 1 Gpbs utilizando a tecnologia Ethernet.

RedeIpê
RedeIpê

Com a chegada das conexões de maior capacidade com 2,5 Gbps, com o aumento da RCT-SC e fase de transição da rede interna do PoP-SC entre ATM e Ethernet, o PoP-SC passou a concentrar as instituições qualificadas diretamente no roteador do antigo backbone da RNP, pois o ativo da RCT-SC já não comportava todo o tráfego de suas instituições. As conexões ATM/Frame Relay que chegavam até o concentrador da RCT-SC, localizado na UDESC, foram aprovisionadas através de PVC ATM (Permanent Virtual Circuit ATM) através da .

O equipamento de concentração dos enlaces da RNP instalados no PoP-SC foi o Juniper M40e. Como equipamento de distribuição do PoP-SC foi utilizado o equipamento Extreme Alpine 3804. Estas alterações de tecnologias e capacidades nos enlaces da RNP demarcaram o final da rede RNP2 e início da RedeIpê, rede que perdura até os dias atuais.